Reposicionamento

 

A primeira medida que pode ser tomada para tratar uma assimetria craniana posicional identificada nos primeiros meses é procurar evitar o apoio na região que está achatada e apoiar o máximo possível a região que está proeminente. Para isso, verifique se seu bebê dorme sempre com a cabeça na mesma posição. Se necessário, vire-o no berço (com os pés onde estava a cabeça e vice-versa), se for mais fácil vire o próprio berço, coloque todos os estímulos sonoros e visuais para o lado que ele não gosta muito de olhar. Dessa forma, vai estimulá-lo a apoiar a cabeça do lado em que é preciso conter o crescimento. Há alguns dispositivos posicionadores que podem ajudar um pouco nesse esforço, mas é preciso checar com seu pediatra se são seguros para ficar dentro do berço.

É importante observar se seu bebê apresenta exagerada preferência para virar só para um lado, com limitação para virar a cabeça para o lado oposto, pois pode ser sinal de torcicolo congênito, condição em que a musculatura do pescoço está mais tensa de um lado, girando o queixo para o lado oposto e levando o bebê a apoiar a cabeça sempre no mesmo lugar. Isso geralmente é resolvido com fisioterapia, mas precisa ser identificado e tratado a tempo de evitar o aparecimento de outras complicações.

Colocar o bebê de bruços (o chamado “Tummy Time”) também é importante, pois tira o apoio da região de trás da cabeça e estimula o uso da musculatura da nuca, preparando o bebê para as próximas etapas do desenvolvimento. Mas lembre-se: o Tummy Time só deve ser feito com o bebê acordado e sob supervisão de um adulto.